Páginas

17/03/07

South By Southwest 2007 - Dia #4














Vimos a luz à hora do almoço com The Polyphonic Spree, em directo para a televisão. Com duas baterias, coro de 9 vozes femininas, metais, harpa e outros instrumentos, o colectivo de Dallas não é apenas uma banda... é uma religião. Escutámos ao longe Kings Of Leon (que hoje vamos finalmente poder ver a sério!), e de perto Mika, Cities, The M's, The Panda Band, Andrew Bird (que infelizmente se apresentou no Stubb's como uma sombra de si mesmo, devido a uma forte gripe), Ane Brun, The Pierces (com o noivo de uma das irmãs Albert Hammond Jr. na 1ª fila, derretido), Thurston Moore dos Sonic Youth com elementos dos Magic Markers, o afrofunk dos Antibalas, os vitoriosos Bonde Do Role, Tiny Masters Of Today (dois pré-adolescentes a tocar punk, com Russell Simmons dos John Spencer Blues Explosion na bateria e Wayne Coyne dos Flaming Lips, de sorriso nos lábios a dançar de braços no ar...), The Faint, Stylofone, Sound Team, The Black Angels (pelo pouco que vimos ontem deu para perceber que hoje a presença no Mohawk Patio, onde vão tocar de novo, é obrigatória) e as prestações pobres da nova banda de Perry Farrell, os Satellite Party (sem a acidez ou perigo dos Jane's Addiction e longe do ouvido pop dos Porno For Pyros) e do supergrupo The Good, The Bad & The Queen, muito abaixo do que seria de esperar, tendo em conta os currículos dos seus elementos.














Destaque para a aparição histórica de Daniel Johnston perante a vasta audiência de uma das salas do Austin Convention Center, que mostrou sentir por ele uma enorme veneração mas também carinho na hora de aplaudir. Visivelmente perturbado por ter tanta gente à sua frente, Johnston lutava consigo mesmo em palco e com os seus tremores, que lhe dificultavam por vezes o uso do microfone. A esta fragilidade desconcertante, o sexteto de cordas que o acompanhava fazia sobressair a delicadeza das suas canções. Um dos momentos mais comoventes do festival.
No mesmo recinto, The Cinematics foram protagonistas de um episódio também marcante ao interpretarem em registo acústico "Grace" de Jeff Buckley e receberem no final do showcase elogios emocionados de Mary Guibert, mãe de Jeff, que por acaso estava de passagem por Austin.



















Vencedores indiscutíveis desta noite: The Walkmen! A banda de Nova-Iorque consegue domesticar atmosferas com uma facilidade que não está ao alcance de todos e são o sonho tornado realidade para todos aqueles que, dada a oportunidade de viajar no tempo, escolheriam o ano de 1965 para ver um concerto de Bob Dylan com The Band, por alturas da edição de "Highway 61 Revisited". Perfeito. Acabam de entrar para o topo da nossa lista de concertos que queremos muito ver em Portugal, assim como aquele que acabaria por ser o último da noite de ontem... The Dears. Não estavam oficialmente anunciados, mas seguindo os nossos instintos cedo percebemos que os "Special Guests" do Habana Calle 6 seriam eles. Magnífico concerto, com a apoteose em "Hate Then Love", canção-catarse, ainda mais libertadora ao vivo.














Virando a página... Sábado é na prática o último dia de música no festival e estes são alguns dos nomes a ter em atenção para hoje:

Robbers On High Street / Fujiya & Myagi / Jandek / Bill Callahan / Meat Puppets / Money Mark / Balkan Beat Box / Jello Biafra / The Black Angels / Prototypes / Junior Senior / Lee "Scratch" Perry / Metronomy / The Presidents Of The United States Of America / Mary Timony / Girl Talk / Au Revoir Simone / Blanche / Buzzcocks / Field Music / Midlake / The Saints / Tokyo Police Club / Kid 606 / Jesse Sykes & The Sweet Hereafter / Paolo Nutini / Kings Of Leon / Kid Koala / Amon Tobin / Friends Of Dean Martinez / Youth Group / Marjorie Fair / The Moog / Tom Morello / Gary Lucas / Cursive / Mando Diao / Ricky Lee Jones / Spektrum / Lesbians On Ecstasy / Spoon / The Stooges
etc, etc...

Amanhã, se tudo correr como o previsto, voltaremos a fazer o relatório de tudo o que conseguimos ver, em directo com Pedro Moreira Dias por volta das 13.00. Entretanto, podem passar também pelo diário SXSW de um dos nossos companheiros de viagem (e ocasional comentador Radar em Austin) David Fonseca aqui.

Pedro & Tiago

14 comentários:

Tiago disse...

Muito bem,aguçaram-me o apetite para descobrir novas bandas que não conheço.
E confirmações ao vivo como o grande Richard Swift (espero que venha brevemente a Portugal)
Gostava de ouvir os vossos comentários ás actuações de Robbers On High Street e Midlake entre outros.

Bons concertos!

Anónimo disse...

concordo que walkmen em portugal (onde quer que seja) seria grd concerto... e another one goes by

freixico

Rui disse...

Tenho a estranha sensação da Radar estar a perder a "pureza" do inicio.

Abundam os anúncios, as sínteses de notícias, as rendições "forçadas" ao marketing (ex. blocparty, cujos anuncios vamos ter de aturar, em regime de tortura, até 18 de Maio)e caíu-se, demasiado, naquilo a que alguns chamam o consensualismo.

Mesmo as reportagens do South By Southwest ficam muito aquém da cobertura feita por rádios alternativas inglesas, americanas ou mesmo espanholas (!?)que, felizmente, emitem também pela NEt e com uma criatividade impressionante.

Excepção para os "Discos Voadores" e "Bairro do Amor", tudo o resto desilude uma beka e começa a cansar.

Caiu-se na rotina...

Agora estejam à vontade para puxar da bazuca e atirar sobe mim. É na boa. Apenas expresso aquilo k penso.

Rui P.

Anónimo disse...

... a un centimo lo minuto...

Anónimo disse...

eu cá gostei particularmente da "beka". Lindo...

curse of millhaven disse...

concordo em parte com o que disse o rui. ainda que a radar continue a ser a melhor radio nacional, acho que já perdeu algumas qualidades. discordo com as sinteses de noticias frequentes, até pq duram pco tempo. mas confesso que por mais que goste dos air já não suporto ouvir o anuncio ao novo cd deles em cada bloco publicitário... enfim, já sei a história toda, quem não gosta não ouve e uma radio tem de sobreviver pq só de coisas ditas «alternativas» não dá, etc.
quanto às reportagens do sxsw como n tenho um padrão de comparação já que so oiço a radar, fico muito contente por ser o segundo ano que a radar acompanha o festival e espero francamente que continuem. e que repensem ...só um bcdinho....a playlist.

Tiago disse...

Já é muito bom haver uma rádio como a Radar,tendo em conta o país em que estamos.Ás vezes só se dá o valor quando se acaba,penso que a Radar vai continuar a crescer mais e melhor,também com a nossa contribuição.
Quanto á repetição das playlists também depende um pouco de quem está na emissão,saber variar um pouco,pois nas horas `mortas` não há volta a dar,assim como os anúncios.

Quanto ao acompanhamento do SXSW,acho que foi boa dentro das condicionantes do festival:uma maratona de concertos,mas que se ficou com uma boa amostra do que se passou,quer no blog e na emissão.Comparar os meios que as rádios espanholas e inglesas com portuguesas...

P.S. Então e esse resumo com mais fotos?

Pedro disse...

Concordo, claro esta, c o 1º§ do Rui.

N1s dicussoes s/ o AF avisei, sem qq valia vejo hoje qdo ainda faltam 2 meses, q isto -BP- era previsivel. E gosto d BP, ATENÇÃO. E não, não acho nada q sejam passageiros e sim, acho q tiveram espirito e oxala n o percam. Mas n forcem. Aqui na Radar, penso, n resulta. S insistirem mto podem ate ter o efeito inverso, ou seja, o ppl enjoa e dps n compra.

Tb eu gostaria q os srs revissem talvez 10% d emissao. Talvez nem isso. Mas s calhar ta a cair no consensualismo como diz o Rui. N posso deixar d reparar, e ja dd ha bastante tempo, a ausencia d determinados grupos dai como ENA PA 2000, Mler If Dada, Peste & Sida, SGodinho (!!!), Mao Morta (!!!) e Blasted Mechanism (!!!). E alguns deles tb a editar discos, e a fazer concertos, como parece ser a desculpa p tri-passar A ou B. Então? Mao Morta n poderia ter 1 AF? Ou Mler? Ou Ena Pa? E a Blasted, falta o q? S fossem britanicos -estou certo n estou?- andavam p ai nas palmas. Assim, nepia. Pior ainda, alem d tugas têm a mania q sao espertos e editam no privado, n tem distribuidora e os CD sao + baratos. O concerto na Aula Magna foi segredo (antes) e dps ... silencio. N tera existido? N têm emenda. As radios dai, nepia. E a Radar? É igual. Lamento, mas neste caso, foi assim. Ou não? Eles n merecem tal. Eu acho. Como n merecem os históricos Mao Morta, outro exemplo. Ou Ena Pa 2000. Ou SG. Ta certo q n e bebado, n tem mau aspecto e n cheira mal. Mas, n e alternativo?? Ouçam bem o q ele diz, pe. Passados + d 30 anos ainda continuamos c a vergonha pacovia d q é português, é? Os Herois d Mar, outro exemplo, mm em 80, ha + d 20 anos, n tiveram. Nem vc qdo os passaram agora. Continuem, entao. Mas n nos façam esperar pelo proximo filme documentario p ouvir Mler ou Ena Pa!!! Vc ai têm ppl q sabe como é. Melhor até q eu q p isso mm so falo d tugas (alguns). Deixo os estrangeiros p V/ conta. Podem começar ja p esses The Polyphonic Spree.

PS-Deixem as noticias. E como estao, mto curtas. Minimas mm. E sempre da p rir qdo s enganam a ler, eh eh eh.

2 sugestões. Gostaria d ouvir Durutti Column. A Radar pouco passa d minimalismo mas marcou, e mto, a musica. Pode ser 1 qq. Scketch for dawn, pe. Pode ser em repeat, AF, BAmor-hum, q tal?-, ZP RR, Medico d familia ou d urgencia ou la o q é, SXSW, PKW, IGLO, Freeze, CIA, CFO GTI enfim qq coisa dd q rode ai e ouçamos todos.

Outra, entao e 1 agenda c concertos, hum? Vejam bem, publicidade, concertos, hum? Sempre e + 1 espaço c AF e BP, hein? E silencioso, p sinal. Mas n ponham so os d musica no coração ok???!

E obrigado pela, acima d tudo, agradavel companhia musical.

Bons son(ho)s

Extravaganza disse...

Quer-me parecer que foi por falta de publicidade que a XFM e a Voxx "arderam"...

foxy disse...

estes gajos chateiam-me.

Anónimo disse...

Rotina, mas mesmo rotina, começam a ser os comentários destes senhores.

Anónimo disse...

1 centimo por minuto. sabes como hablar a uma chica melancolica...

Por favor...

Anónimo disse...

mas quem é que é este gajo que vem páqui falar espanhol???

Anónimo disse...

tá forte tá...